segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Comunidade 9 - Ilha Paraíso

Na Serra do Marvão, perto de Castelo de Vide, vive a 9.ª comunidade com quem escolhi viver uma semana à troca. Habituados a receber visitantes, sobretudo estrangeiros, sou eu que agora vou experienciar esta semana com diversos desafios, que talvez ainda não tenha experimentado em nenhuma das outras 8 comunidades onde já vivi.


Nesta comunidade, vive uma família, constituída pelo pai, 3 filhos e 6 filhas e um rapaz que não sendo da família ajuda nas lides da quinta. A família de origem alemã mudou-se há mais de 20 anos para Portugal, onde agora reside.

Escolhi esta comunidade por 3 motivos: são quase totalmente sustentáveis, são totalmente crudíveros e dormem ao relento, ou seja, sem ser dentro de uma casa.

...

Cheguei, o tempo está óptimo... nem muito calor nem muito frio. Almocei com a família e comi coisas super diferentes para mim: cactos às tirinhas, salada de batata, pão cru secado ao sol, entre outras coisas, que essas já são minhas conhecidas, como a bela da salada de tomate e a salada de pepino.

Depois do almoço, fui com o patriarca da família conhecer o espaço da quinta: vários quartos espalhados pelo espaço, a casa onde são feitas muitas das coisas que se comem (azeite, queijo, vegetais lacteo-salgados, vinho, entre outros), o sistema de duche e as casas-de-banho, o espaço das refeições com o palco de música, a zona da mula e da vaca, entre outras coisas. Perto da quinta, a menos de 400 metros, existe uma casa que a família também põe ao dispor para pessoas que não queiram viver ao relento e que necessitem das comodidades de uma casa “normal”, com cozinha, casa-de-banho, quarto, sala, etc.

De tarefas, hoje aprendi a fazer os tais vegetais lacteo-salgados, que neste caso foram feitos com feijão verde cortado ao pedacinhos e depois com muito sal, colocados em frascos bem selados para que o sabor vá amadurecendo à medida que os anos passam, sendo conservados com o líquido do próprio feijão verde. Segundo o patriarca, que me ensinou a fazer isto, ele diz que esta conserva pode durar mais de 10 anos e pode fazer-se com muitos vegetais diferentes.

No fim do dia, dei de comer às galinhas, ou seja, ralei um bocado de courgette e deitei no chão, onde felizes e contentes foram logo depenicar as tirinhas das cougettes. É importante dizer que as galinhas e galos andam sempre à solta. Sempre!!! São muito lindas... lindas mesmo! Têm umas penas lindas, coloridas e sedosas, como eu nunca vi. Há aqui um galo, que parece mesmo um galo de revista, tem um brilho que nem dá para explicar, lindo mesmo! Por causa desta situação, a minha cadela vai ter de ficar perto do local onde vou dormir, porque como já vos expliquei num anterior post a relação da minha cadela com as galinhas não é de longe das melhores. Foi engraçado ver ao final do dia, à hora do pôr-do-sol, quando as galinhas começaram a subir às árvores para dormirem. Nunca tinha visto galinhas a dormir nas árvores e digo-vos que é mesmo muito engraçado! Parecem pássaros gigantes a pernoitarem nos troncos!

Ao jantar, comi um wrap de couve. Eu explico, numa folha de couve coloquei tudo o que quis: tomate, pepino, manjericão, cebola, cenoura e depois enrolei tudo e fiz um wrap! Muito bom! Para sobremesa, comi uns frutos roxos e outros amarelos, dos cactos espalhados pela quinta. Aliás, esta quinta o que tem mais é cactos. E os frutos são deliciosos. Devem contudo, comer-se com garfo e colher para que os picos externos não nos piquem em parte nenhuma. E bem, eu bem que fui avisada, mas tive logo a minha praxe de caloira e fiquei com dois picos na boca: um no céu da boca e outro na língua. Eheheheh... só visto! Contudo, rapidamente os picos saíram e eu pude ir descansar para o meu quarto ao relento...

Bem, será a minha primeira noite ao relento, contudo, o facto de trazer a Azeitona, conforta-me porque seguramente ela dará sinal se algum bicho que se aproximar... Já me falaram que há raposas, torrões e outros bichos que não conheço e prefiro não conhecer pessoalmente, para ter uma noite descansada! Mas também já sei que posso "pedir" ajuda a uma hora qualquer da noite, se algo me acontecer... ou se aparecer algum bicho menos desejado. Por isso, entregaram-me uma flauta cor-de-rosa com um livrinho de música, assim, posso aprender a tocar ou então, apitar na flauta a alto e bom som, se algum animal desconhecido se aproximar do local da minha dormida... :)

Bem... se quiserem saber mais onde estou e por onde ando, aproveitem e vejam a reportagem que fizeram há uns anos a esta família, constituída por 2 partes! J


Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo seu contacto! Responderei o mais breve possível.