quinta-feira, 18 de julho de 2013

"Eu sou seu fã!"

Hoje, como todas as 5as feiras fui trabalhar para o supermercado, colando etiquetas à troca de produtos alimentares biológicos! Neste momento é a única forma de angariar alimentos à troca, sendo que ainda não tenho a minha horta.

Mas hoje, o dia foi diferente, porque no final do meu turno, apareceu um rapaz que me disse: "Sou seu fã. Li no blog que trabalhava aqui à troca e vim ver se havia trabalho para mim." Fiquei contente por ter dado a conhecer o supermercado onde trabalho, porque realmente os produtos são mesmo de qualidade... por outro lado, fiquei desconfortável quando ouvi a palavra "fã". E pensei, como alguém pode ser fã de alguém e como alguém pode ser o ídolo de alguém... Fiquei pensativa, engoli em seco, agradeci o comentário, mas fiquei a pensar que não fiz nada para merecer que alguém seja meu fã. 

Na verdade, conheço cada vez mais pessoas que trabalham em troca de produtos ou serviços, pessoas que estão mais fora do sistema do que eu, que tentam mudar mais o mundo que eu! A verdade, é que estes últimos meses estão a ser muito transformadores para a minha vida... a verdade é que coloco tudo em questão: as trocas, o dinheiro, a vida em sociedade, a vida em comunidade, porque aqui estamos, para onde vamos, quem somos, porque nos acontecem determinadas coisas na vida, etc etc.

Sinto-me cansada... não propriamente de fazer trocas! Aliás, estou "quase quase quase" no ponto de dizer que estou 100% sustentável com trocas: trabalho no supermercado à troca de alimentos, a pessoa que mora no meu quarto paga as contas das despesas mensais conjuntas, trabalho na CP à troca de passe, um amigo meu responsabiliza-se pelo meu carro durante os meses do Verão porque precisa dele para seu uso próprio... Neste momento só preciso mesmo da horta para estar mais independente e também andar melhor de bicicleta!... Estou mesmo a um passinho pequenininho, né?

Contudo, começo a pensar que era importante estar mais independente em algumas coisas, como na questão do meu carro, da minha casa e eventualmente da alimentação... Gostava quem sabe, um dia de mudar de casa e se continuar a viver assim, dificilmente conseguirei tais coisas... Estou em fase de reformulação da minha vida (novamente)!

Por isso, a palavra "fã" não me caiu muito bem! Mudei de vida, porque assim o senti! Porque o quis... Porque achei que era importante e que estava na hora de dar "um basta" à vida consumista e capitalista que levava! Fiz o projecto porque acredito nele... acredito que um dia todos podemos viver de trocas, de partilhas... que um dia todos teremos uma função que contribui para o todo sem necessitarmos do dinheiro como intermediário! Contudo, esse dia ainda não chegou... está cada vez mais breve, mas ainda não é este ano, para o ano, ou daqui a 10 anos... E por isso, não tenciono fazer trocas, só porque sim... só porque acredito numa vida assim, daqui a 20 ou 30 anos... Bem... isto sou eu a pensar para os meus botões...

Às tantas, o que se passa é que estou cansada... o ano passado foi um ano de mudanças... algumas que estão para ficar... algumas que me fizeram ver como andava enganada na vida que levava... algumas que penso jamais voltar a trocar, porque sou agora uma pessoa mais consciente. O ano passado, foi repentino em tantas dimensões, tomei tantos conhecimentos de coisas que alguma vez imaginei que eram possíveis, conheci tanta gente, fiz tanta coisa diferente... que agora, só sinto, que preciso de parar um pouco... de ter um pouco de férias!!!

A semana passada conheci uma rapariga que inspirada pelo meu projecto, decidiu viver de trocas. Conseguiu uma casa à troca de trabalho diário doméstico e comida numa cozinha comunitária à troca de elaboração de refeições. Reúni-mo-nos para lhe dar umas dicas... dicas de como viver à troca! E fiquei fascinada! Ela é muito mais corajosa do que eu... Quer viver à troca e sem dinheiro nenhum... eu ao menos ainda tinha 1111€! Ela é muito mais à frente!... Como ela disse: "Às vezes dá medo. Dá medo não ter a segurança do dinheiro." E é verdade! Mas a questão é que o dinheiro só nos dá uma segurança ilusória... pois, por exemplo se ficarmos doentes e tivermos dinheiro, podemos pagar o médico... mas se estivermos sozinhos e não conseguirmos chamar o médico, precisamos de amigos ou família, mais do que o dinheiro, para chamar o tal médico! A verdade é que tudo é preciso! Dinheiro, amigos, família, contactos, rede... mas sobretudo, o que precisamos mesmo é de nós... e de acreditar em nós próprios! Só assim o mundo, muda e é passível de ser credível!


4 comentários:

  1. olá. tu tens um pensamento lindo. nunca li ninguém com um pensamento como o teu. Aliás, há uns 50 anos, eu penso que este País, era um mundo de trocas, em muitas vilas, cidades ou aldeias. Mas também depreendo pelas tuas palavras que adoravas ter uma pequena quintinha. Aqui no Norte, compram-se quintinhas baratas. tens um grande Coração Andressa. beijos e um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Eu felizmente tenho uma casa com um terreno na beira baixa, da minha família... mas precisa de obras... e eu não sei o suficiente de agricultura ou permacultura para me pôr ao caminho... e não me apetece fazer coisas sozinha...
      Enfim... talvez tenha um grande coração... mas agora o meu coração, grande ou pequeno está enrugadito... anda em fase "pausa kit kat".
      Besitooooo *

      Eliminar
  2. Conhecimento que leva ao autoconhecimento é o que há.
    Obrigada por compartilhar tuas experiências conosco, Andresa.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo seu contacto! Responderei o mais breve possível.